sábado, 14 de maio de 2011

Cetose – Mitos e Fatos sobre dietas Low-Carb





A maioria das pessoas experimentam uma condição chamada cetose,quando de repente, passam de uma dieta rica em carboidratos para uma dieta pobre em carboidratos. Isso ocorre quando as moléculas de cetona estão circulando no sangue em uma quantidade maior do que a anterior quando em dieta rica em carboidratos. Cetose é um estado normal fisiológico causado pelo funcionamento normal e saudável do organismo, ao contrário dos mitos, distorções e mentiras publicadas pelos vegetarianos e outros adeptos de dietas ricas em carboidratos.
A Cetose permite que o corpo funcione de forma eficiente  e permite que a pessoa viva longe dos excessos de armazenamento de gordura corporal. As cetonas não são um veneno, que é como a maioria dos peritos médicos e nutricionais referem-se a elas. As três substâncias conhecidas como corpos cetônicos são: ácidos acetoacético, beta-hidroxibutirato e acetona. O corpo naturalmente produz cetonas como o combustível preferido para o coração, parte mais externa dos rins, e a maioria das áreas do cérebro.
A cetoacidose é uma condição comumente associados ao diabetes tipo 1 e diabetes insulino-dependente tipo 2.Cetoacidose não é o mesmo que cetose normal. O nível anormalmente baixo de insulina no diabético leva a um tóxico acúmulo de glicose no sangue, causando excesso de urina, sede e desidratação. A glicose não consegue entrar nas células para produzir energia na ausência de insulina. Isso faz com que o corpo quebre uma quantidade excessiva de tecidos corporais ou seja,  gordura e músculos para obter energia. A cetoacidose é uma condição insalubre em que o corpo fica com taxas excessivamente elevadas de glicose e corpos cetônicos, ao mesmo tempo. Os cetoácidos apresentam um menor o pH do sangue do que nos níveis saudáveis. A condição não está presente em um não diabético em uma dieta restrita em carboidratos, em que o estado de cetose benigna é alcançada. A cetose estabiliza o índice normal de glicose no sangue dentro de uma faixa normal e evita a destruição de tecido muscular saudável. A restrição dietética de carboidratos evita a acumulação de excesso de glicose. O nível de glicose no sangue permanece perfeitamente normal e estável, quase em linha reta. O corpo é naturalmente alimentado normalmente por corpos cetônicos enquanto dormimos. O estado de cetose era comum e normal em todos os povos primitivos que viviam com dietas ricas proteína, alto teor de gordura e pouco carboidrato, como os índios das planícies norte-americanas e esquimós do norte. Ácidos graxos dietéticos e corpos cetônicos são combustíveis muito saudáveis para o corpo, em contraste com a glicose que provoca resistência à insulina, diabetes, doenças cardíacas e câncer.
Muitas pessoas acreditam erroneamente que não podem ou não vão perder peso, porque as cetonas caíram a um nível inferior. O derrame do excesso de cetonas na urina desaparece na dieta de baixo carboidrato depois que o corpo se acostuma a usar gorduras dietéticas de energia, em vez de glicose. Isso geralmente ocorre dentro de algumas semanas na dieta. As pessoas que consomem normalmente grande quantidade de carboidrato nas refeições foram alimentando seus corpos com glicose e frutose, obtidos a partir dos carboidratos. Suas células têm muito pouca experiência em queima de ácidos graxos para a energia. O corpo usa a glicose primeiro para evitar altos níveis de glicose no sangue.
O corpo experimenta uma nova condição, quando uma pessoa vai para a dieta pobre em carboidratos. Glicose, o combustível mais usado já não está disponível. O corpo reage com uma brusca queda na produção de insulina no pâncreas e aumento do hormônio glucagon. O glucagon induz o consumo das reservas de gordura armazenadas sob a forma de triglicerídeos para serem utilizadas pelas células como fonte de energia nova. No entanto, as células são lentas pra reagir a esta nova fonte de combustível, e o indivíduo se sente com a energia fraca ou inexistente. A resistência à queima de ácidos graxos para energia pode variar muito entre os indivíduos. Algumas pessoas sentem essa fraqueza, mas outros tem a sensação de mais energia do que antes.
O fígado começa a catabolizar (quebrar) os ácidos graxos extras quando eles não estão sendo utilizados pelas células, porém, o fígado não tem a enzima necessária para completar o catabolismo dos ácidos gordos. Isso faz com que a descarga das moléculas de cetona entrem no sangue. O gosto estranho na boca e mau hálito suave mostra a presença destas cetonas. Outras células do corpo podem utilizar as cetonas para a energia. O cérebro pode utilizar cetonas contrariamente ao mito de que o cérebro precisa ser alimentado somente pela glicose , embora, algumas áreas do cérebro ainda necessitem de glicose, que o corpo produz a partir de aminoácidos ou gorduras.
O organismo começa a utilizar os ácidos graxos para obter energia de forma mais eficiente depois de algumas semanas na dieta de baixo carboidrato. Isso significa que o corpo está se tornando um “queimador de gordura” mais eficiente.
O valor científico e prático de carboidratos necessários na dieta é zero – nenhum. Os carboidratos não são um requisito para qualquer função do corpo. Na verdade, parece que quanto menor o nível de carboidratos na dieta, melhor a saúde em longo prazo. Relacionadas com a idade, as doenças degenerativas são causadas por elevados níveis de carboidratos na dieta. Pode-se estar em um nível muito baixo ou zero de carboidratos na dieta indefinidamente como foi demonstrado pelo estudo de muitas sociedades primitivas.
Os carboidratos não são necessários para manter um nível normal de glicose no sangue, como também não são necessários na dieta como o combustível do cérebro. O corpo pode fazer toda a glicose necessária de proteínas e gorduras na dieta, e faz com que a glicose se mantenha em um nível saudável dessa maneira.

0 comentários: