terça-feira, 18 de janeiro de 2011 | By: Pimenthynha

Cetose - O segredo da perda de peso com a dieta Dr. Atkins

Capítulo 5 do Livro: A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins


Sendo gordo já há algum tempo, você está num alçapão metabólico, numa espécie de caixa de altas paredes, formada em parte por elevados níveis de insulina. Talvez já tenha notado que está num beco sem saída. Claro que deprime qualquer um tentar dieta após dieta e fracassar em todas. Por experiência pessoal e por comentários de milhares de pacientes, sei com que força é apertada a tampa da obesidade metabólica. A cetose - a Cetose Dietética Benigna (CDB), sobre a qual estou falando -levanta a tampa.

O termo cetose, quando aplicado ao tipo de dieta benigna induzida de que estou falando, é na realidade uma abreviação da expressão cetose/lipólise, de pronúncia tão arrevesada que você pode compreender por que é geralmente chamada apenas de "cetose" e por que a dieta responsável por esse notável sucesso (de quem faz a dieta) é denominada de "dieta cetogênica".

A definição de lipólise soa como Nirvana tanto para quem faz dieta quanto para médicos. Lipólise significa "processo de dissolver gordura". Ora, não foi exatamente por isso que todos nós nos reunimos aqui neste momento? Quando consumida metabolicamente, a gordura decompõe-se em glicerol e ácidos graxos livres, que por seu turno se decompõem em pares de dois compostos de carbono, denominados de "corpos cetônicos", do qual resulta um novo ácido graxo, mais curto no comprimento da cadeia no equivalente ao fragmento dos dois compostos que entrou no lago metabólico para ser usado como combustível. Aparentemente, esta é a única trajetória metabólica disponível para a dissolução (lipólise) da gordura. Por conseguinte, não há lipólise sem cetose e nem cetose sem lipólise. Os dois termos são biologicamente ligados e daí ser também apropriado que isso aconteça lingüisticamente.


Mas como é que funciona realmente o processo? Há nele aspectos negativos?

Inúmeros leigos e mesmo médicos acham que deve haver. Queimar gordura pode parecer modismo. Essas pessoas encolhem ceticamente os ombros e dizem: "Tenho certeza que se pode perder peso com sua dieta, Dr. Atkins, mas o peso não volta imediatamente?"
O interessante nisso tudo é que boa parte do peso não volta. A dieta Atkins de manutenção, embora mais tolerante, parece-se muito com a de perda de peso e é rara a recuperação dos quilos perdidos.

Quanto à parte de perda de peso, ela é simples e incontestavelmente eficaz. Não vejo por que deva subestimar os fatos. A cetose é um dos dons encantados da vida, tão delicioso quanto sexo e banhos de sol e com menos desvantagens do que ambos.

Inúmeras dietas baixas em carboidratos foram propostas durante todos estes anos. Muitas delas, contudo, não reduzem os carboidratos a um nível - em geral, menos de 40g por dia - que permita a CDB. No caso de pessoas metabolicamente obesas e que têm grande dificuldade para perder peso, esse fato é uma grande desvantagem.

A dieta cetogênica do Dr. Atkins, por outro lado, é o que existe de mais apurado em matéria de perda de peso. E é o meio mais seguro, mais sadio e mais exuberante para você iniciar a segunda metade esbelta de sua vida.


Agarre o Que É Seu

Você me ouviu dizer que pode queimar a gordura do corpo. E é natural que pergunte: de que modo funciona esse processo cetose/lipólise?

Estar em cetose significa simplesmente que você está queimando seus depósitos de gordura e usando-os como fonte de combustível, o que é a função deles. Quando seu corpo libera cetonas - o que faz na respiração e na urina - há aí prova química de que você está consumindo a gordura que acumulou. Mais uma vez, repito, para dar ênfase: Quando a pessoa, numa dieta segura baixa em carboidratos como a que proponho, libera cetonas, ela se encontra no estado de derretimento de gordura conhecido como CDB, ou cetose/lipólise, que é simplesmente o caminho mais eficaz jamais descoberto para torná-la esbelta. Quanto mais cetonas você libera, mais gordura dissolve.

A CDB é o método fisiológico da perda de peso - o oposto exato do processo que, para começar, tornou você gordo. Ela pode ser sua balsa salva-vida, dando-lhe não só esbelteza mas também saúde, colocando você a uma boa e sadia distância dos perigos do diabetes, doenças cardíacas e derrames cerebrais enfrentados pelos obesos. Acima de tudo, claro, significa que você atingiu sua meta - a de usar toda a gordura acumulada no corpo.

O fenômeno da formação de cetonas, como grande sistema alternativo de combustível, foi tão bem estudado pelos cientistas que simplesmente nem mais é discutido nos meios acadêmicos. O Dr. George Cahill, o professor de Harvard considerado como o mestre eminente da pesquisa das trajetórias metabólicas, após dizer que o tecido cerebral utiliza mais facilmente as cetonas do que a glicose, anunciou que os corpos de cetona são o "combustível preferido" do cérebro.

Por que, então, é provável que você leia ou ouça dizer que a cetose é indesejável ou de alguma maneira nociva? Minha única resposta é que há um número grande demais de "especialistas" que não fazem seus deveres de casa. Dizer que a cetose dietética benigna é qualquer outra coisa do que benéfica é mais ou menos como um traje de homemsanduíche anunciando no painel da frente "Eu sou um especialista" e, no de trás, "Não entendo nada de minha especialidade".

Claro, há confusão na mente de leigos (e de alguns médicos mediocremente informados) entre CD B e a cetose da cetoacidose diabética. Esta última ocorre em indivíduos deficientes em insulina, cujos níveis de açúcar no sangue escapam ao controle. As duas condições são virtualmente opostos polares e podem ser sempre distinguidas uma da outra pelo fato de que o diabético andou consumindo carboidratos e tem nível alto de açúcar no sangue, em contraste com o felizardo que está em CDB. Vejamos exatamente por que a CDB é a melhor amiga de quem faz dieta.


Por Que a Cetose Funciona?

A cetose é o inverso das trajetórias biológicas envolvidas na obesidade. Você deve lembrar-se de que a insulina estava presente para converter em acúmulo de gordura corporal todo o seu excesso de carboidratos. Ganhando você mais peso, o pâncreas liberava mais insulina para executar esse processo. A maioria dos obesos fica tão competente em liberar insulina que seu sangue jamais está livre dela e, mesmo à noite, quando a perda de peso ocorre de forma mais natural, eles ainda não conseguem consumir seus depósitos de gordura. No corpo que funciona normalmente, os ácidos graxos e as cetonas são liberados dos tecidos adiposos e convertidos em combustível durante as horas de sono. O obeso, porém, tem excesso de peso porque os altos níveis de insulina impedem que esse processo ocorra em seu corpo.

Ora, com pouquíssimo carboidrato na dieta, seus níveis de insulina se tomarão normais - talvez pela primeira vez em anos, ou décadas. Já em 1971 os Drs. Neil Grey e David Kipnis demonstraram convincentemente que os níveis de insulina caem à medida que se reduz a ingestão de carboidratos. Quanto caem para os níveis cetogênicos, não pode ser mais detectada qualquer anormalidade na insulina. Numerosos estudos, realizados nas duas últimas décadas, confIrmaram que os níveis de insulina baixam com dietas cetogênicas.

Na cetose você queima a gordura armazenada pela insulina ao ser iniciado o ciclo da obesidade, gordura esta que fornece energia ao cérebro e a outros órgãos vitais. A razão por que a CD B pode ocorrer tão naturalmente, se você conhece o "segredo" para liberar esse poder latente, é que o corpo fabrica substâncias específicas para manter e facilitar o processo. Já na década de 1960 três pesquisadores ingleses, Dr. T.M. Chalmers, Professor Alan Kekwick e Dr. G.L.S. Pawan, sobre os quais falarei no capítulo seguinte, isolaram a mais importante de todas, a Substância Mobilizadora de Gordura (SMG), na urina de animais e seres humanos que iniciaram dietas cetogênicas praticamente sem nenhum carboidrato. Ao injetar essa fração urinária em animais e seres humanos que não faziam a dieta, os pacientes perderam peso sem dieta.

Posteriormente, vários pesquisadores descobriram outras substâncias que produzem efeitos semelhantes, identificando uma classe de compostos denominados de mobilizadores de lipídios.

Presumivelmente, acontece que, na ausência de carboidratos para fornecer combustível ao corpo, é enviado um sinal que dá início a uma sinfonia de mobilizadores de lipídios. A queima de gordura acumulada, na ausência de carboidratos ingeridos na dieta, constitui um mecanismo natural do corpo - o mesmo processo que mantém vivos os animais que hibernam -, e o corpo fornece substâncias mensageiras naturais que asseguram que o processo de mobilização da gordura deflagrado pela cetose ocorre suavemente e é auto-sustentável. No seu caso, isto é uma espécie de utopia biológica.

Logo que você atinge um estado em que a mobilização da gordura é sustentada por substâncias capacitadoras transportadas pelo sangue, o processo de perda de peso tornase tão indolor e isento de fome como "comer de forma natural" ocorria nos dias em que você ganhava peso. Isso Mesmo, Nada de Fome Este é um dos aspectos mais atraentes de todas as dietas baixas em carboidratos e indutoras de cetose. Para ser franco, ela me atraiu inicialmente na década de 1960, época em que eu era um jovem médico com uma barriguinha cada vez maior. Eu queria fazer dieta, mas não passar fome. Sabia muito bem que não poderia agüentar a fome por muito tempo, meu apetite era grande demais e a força de vontade deixava a desejar, duas características minhas, aliás, que não mudaram muito.

Ao tomar conhecimento do trabalho de Kekwick e Pawan e compreender que o corpo poderia satisfazer a fome queimando a própria gordura como combustível, achei que havia descoberto uma escotilha de salvamento. Cheguei à conclusão de que a cetose tinha algumas semelhanças metabólicas com o jejum. Após as primeiras 48 horas em qualquer um dos dois, o corpo suprime a fome e reduz o apetite.

Mas havia ainda outra vantagem. O jejum prolongado pode ser perigoso e apresenta uma grave desvantagem metabólica. Em jejum, o corpo queima não só gordura para obter energia, mas também proteína. Isso significa que queima parte dos tecidos musculares magros do corpo, o que evidentemente não é desejável. Estudos demonstraram que, com uma dieta cetogênica alta em proteínas, virtualmente nenhum tecido magro é perdido, mas apenas o adiposo. E é esse o motivo por que consigo pôr indivíduos extremamente gordos em cetose/lipólise durante seis meses a um ano (e mesmo por mais tempo), sabendo que eles não sofrerão efeitos nocivos de qualquer tipo.

Essas pessoas esclarecidas podem consumir sua própria gordura para obter energia e se sentirem bem enquanto fazem isso.


A Mensagem: Perda de Peso Suave e Agradável

A beleza da CDB é que ela passa ao largo da agonia da dieta de baixa caloria, que é hoje seguida praticamente sem ajuda de mobiliza dores de lipídios. E a cetose não só é agradável, mas freqüentemente essencial. Pessoas que foram gordas durante longo tempo ou que experimentaram numerosas dietas descobrem freqüentemente que é quase impossível perder muito peso, a menos que entrem em cetose. Já tratei de pessoas que, com 700 ou 800 calorias balanceadas por dia, não conseguiam perder peso. Esses valores representam menos da metade da ingestão calórica diária da mulher comum. Ainda assim, perderam-no quando experimentaram dietas cetogênicas com mais calorias ainda.

Quando faço essa alegação, de que você pode perder mais peso ingerindo maior número de calorias, parece que estou infringindo uma lei - ou melhor, as sacrossantas leis da termo dinâmica. A teoria da caloria, porém, é uma falsa lei, cujo destino é ser desrespeitada, e a cetose/lipólise é o instrumento para fazer isso.


1 comentários:

Sara disse...

Eu acho que o mais interessante para estas coisas são sempre capazes de fazer esporte, porque o esporte, mas não está indo para perder peso, espero que tenhamos a oportunidade de fazê-lo durante todo o ano para manter o peso e poder ir comer kosushi