segunda-feira, 30 de maio de 2011 | By: Pimenthynha

O Monstro do Preconceito




Em pleno século XXI algumas formas de preconceito ainda permanecem na sociedade. Manifestado em diversas maneiras muitas vezes o preconceito vem acompanhado por ofensas, humilhações e agressões psicológicas para quem sofre a discriminação.
Segundo a psicóloga Conceição Poletto, as pessoas têm preconceito pelo fato de terem culturas, hábitos e muitas vezes criarem padrões e estereótipos a serem seguidos. “Cada indivíduo tem uma família de origem que lhe transmite formação cultural, com crenças, valores, mitos e tradições que os levam a perceber no outro a diferença daquilo que lhe foi passado como verdade e acredita nela”.
O preconceito não se limita apenas aos homossexuais, mulheres, idosos, deficientes e negros. O tipo físico também é motivo de muita discriminação, principalmente quando se trata de obesidade.
Crianças um pouco mais pesadas freqüentemente são chamadas de apelidos como: “baleia”, “tubarão”, “freel Willy” e outros nomes que causam constrangimento e vergonha. De acordo com a psicóloga pode existir preconceito entre as crianças, mas nem sempre elas compreende o que é e o porquê. “Ela introjeta para si os modelos familiares que lhe são passados e os leva consigo nas suas relações ou nas suas formas de interpretação”.
Não só as crianças, mas adultos também sofrem com preconceitos. Comprovado principalmente na hora das compras. Poucas lojas oferecem tamanhos maiores, é muito difícil achar roupa bonita e acessível em tamanhos especiais.
Quando manifestado entre os adolescentes, o preconceito pode desencadear sérios distúrbios alimentares como a bulimia e anorexia. Com o intuito de perder peso em pouco tempo, muitos adolescentes homens e mulheres, forçam o vômito após as refeições ou até mesmo não se alimentam.
O espaço virtual acaba sendo uma forma de protesto contra o preconceito. Vários blogs tratam sobre o tema. Os autores revelam suas vitórias contra a balança e uma possível reintegração na sociedade.
Com tantos remédios, cirurgias e métodos de emagrecimento, as pessoas obesas ou acima do peso se sentem excluídos da sociedade. Muitas ficam com receio de sair nas ruas, têm dificuldade para namorar e cumprir suas tarefas diárias.
Algumas vítimas de preconceito levam uma vida normal. Outras se isolam evitando contato com a sociedade.
Vítimas de qualquer tipo de preconceito acabam se afastando da sociedade com medo de maus tratos e principalmente com vergonha da aparência. Para a psicóloga, o fato de serem discriminados e excluídos dos meios sociais ou pelo grupo ao qual gostariam de pertencer, pela diferença seja: etnia, cor, religião, crenças, costumes, origem, padrões sociais e financeiros. Poderá levar uma pessoa ao isolamento. “O mesmo pode ter sua auto-estima baixa, menos valia social, dificuldade de relacionamento, timidez, comportamentos agressivos e buscar a partir daí formas de fuga através da bebida, drogas e prostituição ou apresentar transtornos de saúde mental como fobias, síndrome do pânico e psicopatias”.

Boa-Tarde pessoal, trouxe esse texto o qual achei bem pertinente para ilustrar minha postagem de hoje. Depois de tantas mudanças notei uma diferença gritante na forma como sou tratada pelas pessoas em geral, desde lojas de roupas, supermercado ou mesmo pessoas do meu convívio na Universidade que nem sequer me davam um “oi” no corredor e hoje quando passo olham para mim com um grande sorriso cumprimentando. Noto que as pessoas me tratam muito bem e se aproximam muito mais de mim.
Na realidade com tanta novidade estou bem feliz, mas não vejo essas atitudes com bons olhos. Afinal, sou a mesma pessoa, o mesmo caráter e trato as pessoas da mesma forma de antes. O preconceito que sofri desde quando era criança, o tão comentado atualmente “bullying”, que era mais aberto, com os famosos chingamentos dos colegas na escola, me fizeram uma criança solitária e isolada, tinha dificuldade para fazer amigos, me relacionar com os outros. Quando tinha por volta de uns 11 anos parei de participar do grupo de basquete do colégio, por problemas em casa, a partir daí passei a engordar novamente (nesse período era bem mais magra), e comecei a me isolar bastante. Diferente das outras meninas, passei a namorar apenas depois dos 15 anos, com muita dificuldade de deixar que as pessoas se aproximassem de mim. Ficava somente naqueles amores platônicos infantis, mas sem atitude alguma, pois me sentia inferiorizada. Depois dos 15 anos comecei a sair a noite, fazer amigos, mas me escondia também, era a garota engraçada que fazia todos rirem, mas aquela que não tinha namorado, mesmo sempre rodeada de pessoas. Não posso negar que fazia um bom sucesso com a “ala masculina”, mas não da forma que eu queria, na realidade toda vez que alguém se aproximava mais de mim, eu mesma fugia, afastava, tinha atitudes que acabavam por sabotar qualquer relacionamento que se iniciava. Perdi com isso algumas chances de ter algumas ótimas pessoas que passaram pela minha vida. Tudo isso, a meu ver, é reflexo do sofrimento que tive, das mágoas que estavam dentro de mim por uma vida de opressão dos sentimentos e pela minha baixa estima. Comecei a me dar conta disso quando um dos meus ex me deu o fora, era e ainda é (hoje um rapaz bem casado) uma pessoa muito querida por mim e pelo meus pais, aliás, das pessoas as quais me relacionei ele ainda é aquele que minha mãe lamenta por não ter tido como genro, rsrsrsr. Mas no fim, acho que acabei percebendo onde estava errando nos meus inícios, na dificuldade de deixar que as pessoas se aproximassem, de deixar que os relacionamentos se aprofundassem. Foi nessa época que conheci meu ex-namorado, com ele consegui deixar que as coisas fluíssem. Apesar de que minha baixa estima e sentimentos de inferioridade sempre foram um problema e tema constante de nossas brigas, mas logicamente, como já comentei por aqui, não foi o motivo do rompimento, mas atrapalhou também.
Por fim, a área que mais notei o monstro do preconceito foi na profissional. Eu NUNCA, isso mesmo, nunca consegui um emprego. Deixava milhões de curriculuns por aí, e nada. Até me chamavam para algumas entrevistas, mas no fim, ficavam de ligar e nada acontecia. O que me restou, até minha decisão de estudar, foi trabalhar informalmente, com um ofício que aprendi sozinha. E foi o que fiz até alguns anos atrás. Depois que entrei na Universidade, por diversas vezes tentei trabalhar, conseguir estágios, tudo em vão. Jamais consegui. Bem na verdade, tenho que agradecer demais as oportunidades que tive dentro da universidade, por conta de um anjo que foi colocado na minha vida (mas isso é outra história). Mas enfim, tantas tentativas de uma vida inteira, tantas portas na cara e agora, com 40kg eliminados, as portas se abrem para mim. Esta semana consegui um excelente estágio, e rapidamente, em menos de duas semanas que havia deixado o curriculum me chamaram. Então me diz, isso é sorte? mágica? porque não fiz nada diferente, sou a mesma pessoa ao falar, meu curriculum é o mesmo, continuo me maquiando, andando bem vestida e com os cabelos bem arrumados como sempre. É triste, mas atribuo tudo isso somente ao preconceito das pessoas.
Estou feliz na nova fase, muito agradecida mesmo por tudo que vem acontecendo na minha vida, mas esse é um tema muito dolorido, que cabe uma grande reflexão. Não consigo entender porque as pessoas ainda agem dessa forma nos dias de hoje, ainda mais com a epidemia de obesidade instalada nas últimas décadas. Tantos profissionais maravilhosos, pessoas realmente com vontade de trabalhar que estão acima do peso e infelizmente não conseguem colocação. Hoje, 40kg mais magra e aos 26 anos, consegui meu primeiro emprego! Mas ainda não me libertei de todos os monstros de ter passado a vida toda sofrendo por isso, algumas marcas, acredito eu, que jamais vão cicatrizar. Isso tudo faz com que as pessoas sofram ainda mais, buscando uma vida de mentira para se adequar as exigências da sociedade, fazendo loucuras para estar dentro desse estereótipo fantasioso que a mídia propõe, pondo em risco a saúde e o bem estar. Minha decisão quanto a mudar, foi exclusivamente por mim, pela minha saúde, tudo bem pensado, analisado e amadurecido. Minha auto-estima melhorou, meu humor, minhas perspectivas e metas diante da vida só aumentaram, estou tendo mais oportunidades, sendo bem tratada pelas pessoas, mas ainda não consigo tirar da memória o que passei e quando vejo alguém que nem me olhava na cara com um grande sorriso me cumprimentando, ainda me vêm na cabeça a pergunta: "mas você nem notava que eu existia, o que mudou?". 

"Triste época ! É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito." ( Albert Einstein )



Reflita.
Ótima Segunda-feira a todos, Beijos!



3 comentários:

andreia ferreira disse...

nossa! que postagem!!! é realmente muito difícil lidar com preconceito! menina, tô aqui pensando na minha vida e percebendo tudo o que já perdi por estar acima do peso... e como as pessoas me tratam hoje e quero ver quando eu emagrecer, como me tratarão ?
òtimo Post!

Thaimara disse...

Me ajuda??? Quero emagrecer tambem, estou com 94 kg e nao consigo me livrar... ja fiz varias dietas e nada, por favor me passa o cardapio e receitas desse livro dessa dieta que voce esta fazendo por favor???

meu e-mail

mara_nen@hotmail.com

Desde já agradeço

Beijos

andreia ferreira disse...

oi... ainda falando sobre preconceito, ontem estava lendo uma revista Voce SA e nele falava de aparências, tinha opinião de vários gestores de empresas comentando se existia preconceito sobre o modo de se vestir, se era gordo, magro, feio, bonito, enfim... daí fiquei tentando observar os cargos de chefia de onde trabalho, e realmente percebi que nenhum, mas nenhum mesmo é gordo! e então vi que realmente a aparência importa sim nas empresas! não adianta falar que não importa, isso pesa muito. Tenho a sorte de estar empregada há mais de 10 anos, então acabei ficando "meio acomodada"... mas se precisar ir ao mercado de trabalho procurar outra oportunidade, com certeza terei problemas.
bjs e volta logo amiga!